You are here
Home > News > Clássicos dos Murphys e street punk sob a lona do Circo Voador

Clássicos dos Murphys e street punk sob a lona do Circo Voador

Dropkick Murphys + Booze and Glory
(Circo Voador – RJ – 27/10/2017)

Texto por Deise Santos
Fotos por Alexandre Bolinho e Deise Santos

Sexta-feira, 21:00 e os primeiros acordes de “Days, Months & Years” eram tocados para um Circo Voador meio vazio. Afinal carioca não está acostumado com shows começando cedo, principalmente em dia útil e isso poderia ter prejudicado os ingleses da Booze and Glory, mas isso não aconteceu.
Quem entrou cedo, o fez para assistir à banda de abertura, que contagiou com seu street punk tipicamente inglês, com letras que são verdadeiros chicletes e execuções contagiantes. A banda contou com o suporte de Chema Zurita, baixista da banda Total Chaos, que vem acompanhando a banda nos últimos shows, que comandou as quatro cordas e alguns backing vocals.
Ao passo que o show ia acontecendo, o Circo Voador ia ficando cada vez mais cheio e a roda de pogo ia ficando mais animada. Entre os sons, “Back on Track”, que faz parte do novo álbum Chapter IV e que teve seu vídeo-clipe lançado há poucos dias, “Last Journey”, “Violence and fear” e “Carry On”.
Para fechar, a banda tocou a polêmica “London Skinhead Crew”, que muitos apostavam que não estaria no set list e “Only Fools Get Caught”.
No fim, a banda se mostrou extremamente agradecida pelo retorno que teve do público e tiraram uma selfie com o público.
Ótimo show de abertura e hora da pausa para visitar as bancas de merchandising e pegar uma cerveja.
Quando a gaita de fole começou a tocar sob a lona do Circo Voador, nenhum cidadão se manteve indiferente e todos correram para o interior da lona. Era a introdução de “The Lonesome Boatman”, música que abre o álbum 11 short stories of Pain & Glory, lançado no início de 2017. Foi uma bela escolha para aquecer o público que já estava ansioso pela apresentação da Dropkick Murphys em terras cariocas e, para não perder o ritmo, eles emendaram com “The Boys are Back”.
Que início!
O show foi um desfile de clássicos e a plateia não tirava o sorriso do rosto, ao acompanhar Al Barr nas canções que se seguiram. Aliás, Al Barr se comunicou com o público o tempo inteiro e na maioria das músicas utilizou um avanço de palco (algo como uma mini-passarela) que ligava o palco à plateia que estava separada do mesmo por uma grade, talvez para evitar muitos mosh’s.
A banda tem uma base incrivelmente consolidada que conta com Ken Casey, vocalista, baixista e fundador da banda, em plena forma vocal e mega carismático, além do multi-instrumentista Jeff Darosa, que foi um show à parte, intercalando sua telecaster com banjo, flauta doce e alguns outros instrumentos. Um show de encher os olhos de fãs que esperaram muito tempo por esse show, já que foi a primeira vez que a banda pisou no Rio de Janeiro.
O show avançava e numa sequência matadora, a banda tocou “Blood”, a preferida de boa parte do público “Prisoner’s Song” e emendaram com um cover de Ramones, “Cretin Hop”. E não tem como errar tocando Ramones. É simpatia do público na certa, que simplesmente entrou em polvorosa.
O som da lona nunca pareceu tão “redondo”. De qualquer lugar da lona, o som estava limpo e excelente. O show continuou com mais um desfile de clássicos, até chegar na belíssima “You’ll Never Walk Alone”, que tem aquela atmosfera de união e respeito, que fez boa parte do público se abraçar e cantar com os punhos em riste. Tocaram ainda “Rose Tattoo” e fecharam a primeira parte do show com “I’m Shipping Up to Boston”.
Pausa de alguns minutos e eles voltaram ao palco, entoando mais um cover: “I fought the Law”, dos ingleses do The Clash, certeiro. Seguiram com “The State of Massachusetts” e foi aí que o Al Barr convidou o público para ocupar o palco com eles e começaram a tocar “Until The Next Time”, música que fecha o álbum 11 short stories of pain & glory. Foi uma celebração. Fãs cantando no palco, sorrindo e a banda com um olhar de dever cumprido.
Para terminar, incendiando a lona, eles se valeram de muitos explosivos, tocando “TNT”, dos veteranos da AC/DC.
E fica a observação: mesmo sendo uma banda fadada a lançar clássicos, a Dropkick Murphys se valeu de alguns covers, que caíram como uma luva e mostrou o respeito deles por outros nomes que fizeram história no mundo do rock.
No fim, ficou um misto dos riffs de TNT na cabeça, com um trecho de “Until the Next time”:
“We all had a good time and were sad to see it end”.
Que eles voltem, em breve, para fazer com que o público se sinta num pub irlandês, tomando cerveja e ouvindo boas canções.

 

Deise Santos

Carioca, jornalista, produtora cultural, baixista e guia de turismo.
Deise Santos é apaixonada por música – principalmente rock e suas vertentes -, literatura, fotografia, cinema, além de colecionadora – contida – de vinis.
Pé no chão e cabeça nas nuvens definem a inquietude de quem está sempre querendo viajar, conhecer pessoas e culturas diferentes.
Idealizadora do Revoluta desde seus ensaios com zines, blogs e informativos, a jornalista tem como característica a persistência em projetos que resolve abraçar.

Deixe uma resposta

Top